Olha eu...

Frescos e fofos

De raspão

Dahhh!!!

Pois é....

Regressos

Escuteirices

Teresa

E se eu voltasse a ser me...

As princesas certinhas e ...

Dahhhh...

Para quem pode

Memórias

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

tags

todas as tags

Lilypie 6th to 18th Ticker
Lilypie 6th to 18th Ticker
Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009

Rita

 

 

 

É sempre assim. Pensamos sempre que temos todo o tempo do mundo. Um dia o tempo acaba-se e aí é que damos conta do que perdemos.

 

Adiei tempo demais este post. Um post que deveria ter sido escrito em Julho ou Agosto. O post que ela tanto merecia, que me deixasse partilhar o que era para nós tê-la connosco.

 

A Rita adoptou-nos. Andava perto da casa do meu sogro num domingo à tarde e teimou, por mais que o meu sogro tentasse, em seguir as pernas do Piolheco. Era tão linda e meiguinha que, nem sei bem porquê, a senti logo minha e a trouxe para casa. Nunca tinha feito isto a nenhum animal, mas a Rita era especial.

 

Tornou-se num instante na companheira de brincadeiras preferida dos Piolhos, principalmente do Piolheco. Era ela quem o acordava de manhã, com festinhas e lambidelas e era com ela que eles brincavam à noite quando vinham para casa.

 

Era a minha companhia à noite quando o F. ia trabalhar. Gostava de se deitar no sofá, com a cabeça junto a mim num ronronar interminável, de mimo. Gostava de ficar na cozinha à espera que lhe desse um petisco e depois sentava-se ali a ver-me cozinhar, ou ensarilhava-se nas minhas pernas até eu lhe ralhar que me ia fazer cair.

 

Tinha uma paciência enorme para os miudos e nem se chateava quando o Pedro lhe puxava o pelo pensando que ela era um boneco. Acho que ela sabia que ele só tem 9 meses...

 

Gostava de fugir para o meu quarto para tirar uma sestinha debaixo da cama.

 

A Rita gostava de correr na relva e de se esconder no meio dos canteiros, gostava de brincar com as molas da roupa e com as meias dos miudos. Até gostava do Caramelo e deixava que ele lhe lambesse o focinho. Gostava de apanhar sol e esperava por nós no parapeito da janela da cozinha.

 

A Rita morreu no sábado.

O F. atropelou-a quando ela se escondeu debaixo do carro.

 

Enquanto escrevo isto tenho ao meu lado a Sissi, que tem um mês e meio, e que com o tempo também sentirei como minha gata.

 

Mas a Ritinha era especial. Era a minha gata. E partiu tão cedo...

 

Até sempre Ritinha. Desculpa ter escrito o teu post tão tarde.

 

 

 

 

 

Tou...: Muito, muito triste
tags:


2 comentários:
De daplanicie a 22 de Outubro de 2009 às 15:57
Os nossos animais são como membros da nossa família, e quando partem deixam uma grande saudade. Quem dera que todas as pessoas fossem como eles...
Beijinhos


De arh- a 3 de Novembro de 2009 às 11:22
tão linda, que amorosa :'( adeus Ritinha, descansa em paz


Comentar post

Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


O signo da mamã

Tic Tac

Sala de visitas

Cuscar e espiolhar

 

Online