Olha eu...

Frescos e fofos

Escuteira uma vez...

Memórias

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

tags

todas as tags


Domingo, 15 de Julho de 2007

Escuteira uma vez...

Hoje fui almoçar a casa dos meus sogros. Já ouviram falar das queixas crónicas de falta de tempo e cansaço em tempo de férias (dos outros!), e um almocinho à pala calhou que nem ginjas.

Quem ler isto vai pensar que é caso raro lá irmos almoçar. Qual quê? Cravamos o almoço à sogra todos os dias da semana e às vezes ao fim de semana também!

Quando lá chegámos estava a televisão ligada na TVI. Transmitiam a missa dominical. Olhei para lá...

-Aí.... tanta chefe!!!! - disse eu ao dar de caras com a maior concentração de chefes de escuteiros por metro quadrado que vi nos últimos tempos.

-Os do lenço verde são os chefes?- perguntou-me o meu sogro.

- São. Os de verde, todo verde são chefes.

E fiquei ali a olhar para a TV e a recordar uma das etapas mais importantes da minha vida.

Eu também fui escuteira. E o meu irmão. E os meus primos. E a minha melhor amiga. E o meu pai, que foi arrastado por nós. E a minha mãe só não foi, porque resistiu estóicamente.

Corria o ano de 1989 (sim já sou um bocadito cota...). Eu, a minha prima Dora e a minha amiga Sónia, andavámos a pensar como contornar o facto de termos sido colocadas em escolas diferentes, que nos separava o dia a dia, e andávamos à procura de algo mais para fazer do que ir à escola. Tinhamos 13 ou 14 anos... o mundo ainda não era nosso...mas havia der ser!

Decidimos tentar o escutismo. Convencemos o meu irmão e o meu primo. Tínhamos que ser muitos. A todos ao mesmo tempo, os pais não iam dizer que não. E a minha avó também ajudou, julgando coitada, que os escuteiros eram só menininhos fardados que iam à missa...

O embate inicial não foi dos melhores. Mas "teimosinha da silva" como sou, não desisti. Continuei e não me arrependi.

Nos 9 anos que estive no Agrupamento vivi muitas aventuras, tive muitas experiências que só algo como o escutismo nos pode proporcionar.

Dormi em tendas... andei kms a pé com a mochila às costas... vi o céu à noite, cheínho de estrelas... acendi e apaguei fogueiras (de todo o tipo)... fiz amigos... pedi ajuda...  ajudei quem precisava... fui patrulha, equipa e equipe... desenrasquei-me... aprendi a tocar viola... rezei... cantei... ri e chorei... aprendi a ser eu... cresci...

Quando em 1998 o meu chefe de então me entregou um lenço vermelho, igual ao que eu tinha usado nos 4 anos anteriores, assinado por todos os elementos do Clã, as lágrimas cairam-me pela cara. De pena, por saber que a minha vida profissional seria imcompativel com a disponibilidade que ser chefe exigiria, mas principalmente de saudade da etapa que ali terminava.

 

O Escutismo faz 100 anos. Todos estamos de parabéns. Os que estão no activo e os que já não estão. Todos que mesmo com a farda já guardada numa arca qualquer, continuam a trazer para a sua vida a essencia do escutismo. Todos os que tentam deixar o mundo um bocadinho melhor do que o encontraram. Todos os que vivem "Sempre Alerta". Todos aqueles que nas encruzilhadas do caminho, páram e rezam a Oração do Escuta...

 

Orgulho-me de ser um deles.

 

Escuteira uma vez, escuteira para sempre.

 

 

 

Tou...: Escuteira
: Flor da Fragancia
tags:


Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Cuscar e espiolhar