Olha eu...

Frescos e fofos

Essa é que é essa...

Revistas (ditas) feminina...

Memórias

Outubro 2013

Fevereiro 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

tags

todas as tags

Lilypie 6th to 18th Ticker
Lilypie 6th to 18th Ticker

Terça-feira, 14 de Outubro de 2008

Essa é que é essa...

Eu acho que às vezes me esqueço de tudo o que de bom tenho.

 

Ou melhor... não lhe dou o devido valor.

 

E o maior bem que tenho é ter dois filhos fantásticos, felizes e principalmente saudáveis!!!

 

Quero lá saber da crise, da Euribor, do trabalho, do cansaço... basta olhar para o lado para ver que eu sou uma felizarda.

 

Os meus filhos estão bem!

 

É disto que eu me tenho que lembrar... 

Tou...: A felicidade passa por aqui


Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2008

Revistas (ditas) femininas

Longe vão os tempos em que comprava religiosamente a Cosmo. Quando ainda era Cosmo, quando ainda não a tinham transformado em Cosmopolitan. Saía ao dia 15  e era devorada de "fio a pavio"  num instante. Eu andava na Faculdade e ainda pensava que havia ali alguma verdade.

O tempo encarregou-se de me tirar este hábito. Agora nem revistas femininas, nem revistas de pais e raramente revistas cor-de-rosa. Não papo revistas. Ora andava eu nesta minha convicção quando ofereceram lá no emprego uma assinatura de uma "revista feminina".

Cheia de miudas magricelas, a dar para o anorético, com indicações de roupa e acessórios para comprar super baratos (do género casaco 499.80€, carteira 8600€, sapatos 351€ ou calças de ganga 153€), maquilhagens que eu acho que ninguem usa, histórias de amores inconfessáveis (tipo dormi com o pai da amiga, com o ex, com o cunhado, com o primo-da-amiga-da-cunhada-da-vizinha-de-cima) e a cereja em cima do bolo: 16 razões para não ter filhos.

 

(OK! Ter filhos não é obrigatório mas também não acho que seja por aqui que as coisas vão!)

 

1º- Parto, uma tortura. O parto não é uma fonte de prazer (alguem já disse que era?)

 

2º- Biberão ambulante. Amamentar não passa de escravatura, é doloroso e não deixa beber cerveja (há leite dentro de latas. Vende-se nas farmácias...)

 

3º- Fim do divertimento. A partir daqui está dependente das crianças, do calendário escolar e da disponibilidade da avó. Não poderá dormir uma noite inteira (digam-lhe que as crianças crescem)

 

4º- Rotina instala-se. A vida com crianças é uma rotina, levantamo-nos cedo, levamo-las à escola e fazemos tudo ao contrário à tarde o que é cansativo ( acho que sem as crianças só altera a passagem pela escola, mas...) 

 

5º- Os amigos fogem. (Só se forem os delas...)

 

6º- Fim do erotismo. Imagine o filme 9 semanas e meia com um filho no quarto ao lado... (imagine a quantidade de quartos onde se passam filmes tipo 9 semanas e meia)

 

7º- Apenas mãe. A sociedade e até o marido só vê a mulher como mãe e não como mulher. (Então há para aí muito "gajo" a "facturar" a "mãe")

 

8º- Aliado do capitalismo. Obriga a comprar um carrinho, uma cadeira para o carro, biberões e afins.(Não me parece que quem não tem filhos viva propriamente no regime amor e uma cabana)

 

9º- Crueldade infantil. As crianças adoram crticar os pais e humilhá-los em público. (e educaçãozinha não se usa, não?)

 

10º- Produto de luxo. Um filho é mais caro que uma viagem de luxo ou um carro topo de gama. Gasta-se imenso em roupa e alimentação. (esta é uma das mais estupidas  não é?)

 

11º- Ocupá-los é uma dor de cabeça. Manter as crianças ocupadas é um pesadelo para os pais.(é uma preocupação direi eu)

 

12º- No Natal e férias temos que ir com eles ao cinema e restaurantes fast food. (OK os que não têm filhos nunca entaram numa sala de cinema infantil, mas também não sabem quem é o Schreck!)

 

13º- Sofrer desilusões. Os miudos desiludem os pais forçosamente e os pais magoam-se quando descobrem que os filhos não são brilhantes (2ª mais estupida. Os pais são brilhantes por acaso?)

 

14º- Abandonar os sonhos. Um filho é um motivo para abdicar dos seus sonhos e objectivos (e o motivo principal para os manter)

 

15º- Mãe ou profissional. As mães ganham menos, logo ter um filho implica perder dinheiro (mas há estatisticas disto?)

 

16º- Crianças sem futuro. Não vale a pena abdicar da carreira  e da harmonia conjugal para criar futuros perdedores, desempregados ou trabalhadores precários (continuo a achar que certos pais não deviam ter certos  filhos que depois eles podem escrever parvoísses tamanhas, publicar em livro e ainda achar que têm razão) 

 

Quem não quer ter filhos não tem. Ponto assente. Mas que os motivos sejam bem menos futeis que estes. Digo eu... 

  

 

Tou...: Mãe


Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


O signo da mamã

Tic Tac

Cuscar e espiolhar

 

Online